O poder da Oração

23/03/2021

 Orar, rezar, sempre fez parte da tradição religiosa da nossa cultura. De maneira simples, poderíamos dizer que orar é fazer oração de maneira espontânea, pode ser feita de vários modos, articulado ou em silêncio, por exemplo, e em qualquer lugar: no quarto de dormir, no transporte coletivo, no trabalho, na rua, seja onde for, rezar seria recitar alguma oração já existente e oficial. É muito importante destacar, independe de forma, os Espíritos hão dito sempre: A forma nada vale, o pensamento é tudo, um bom pensamento vale mais do que grande número de palavras com as quais nada tenha o coração.

Com o aparecimento do espiritismo em 1857, com o lançamento da obra magistral “O Livro dos Espíritos”, apareceu uma nova ideia, uma filosofia nova que nos apresentava a espiritualidade despida de todo e qualquer adorno, culto, acessório e ritual. Vieram ensinar-nos os espíritos que a oração nada mais é do que um ato de telepatia entre nós, seres no corpo de carne, e os seres que já estão no mundo espiritual, a que vulgarmente apelidamos de espíritos. Assim sendo, não faz qualquer sentido a declamação repetida de preces feitas, ditas umas após as outras, pois o que conta é a fonte geradora da energia mental que podemos direcionar com o nosso pensamento.

O mais importante é que a prece brote da alma, da mais profunda intimidade de quem ora e com o pensamento voltado exclusivamente para o ato de orar; que não haja repetição pura e simples de oração decorada, mas, sim, e bem ao contrário, seja feita com concentração, com confiança, com sensibilidade, com amor na mente e no coração e com muita fé.

Com a a descoberta das leis que regem o intercâmbio entre o mundo espiritual e o mundo corpóreo, vemos que tudo deriva da nossa mente e que nada mais além do que o nosso pensamento tem importância para as coisas do espírito. Assim, uma oração muito bonita, com lindas palavras, ou muito demorada não surtirá qualquer efeito, se o pensamento de quem a efetua estiver nesse momento direcionado para outras situações, como por exemplo um problema familiar, um problema comercial, etc.

Daí a doutrina espírita alerta-nos sempre para a necessidade da nossa reforma íntima, procurando desenvolver as potencialidades do pensamento, dentro de uma diretriz de disciplina interior, de conscientização espiritual, procurando sempre ir mais além em busca de novos estados de espiritualidade.

Seria ilógico concluir desta máxima: «Tudo quanto pedirdes pela prece vos será concedido», que baste pedir para obter; como injusto fora acusar a Providência por não anuir a todos os pedidos que lhe são feitos, porquanto, melhor que nós, ela sabe o de que necessitamos. Dessa maneira é que procede o pai prudente: recusa ao filho o que seja contrário ao interesse deste. Em geral, o homem só vê o presente. Ora, se o sofrimento é útil à sua felicidade futura, claro está que Deus o deixará sofrer, como o cirurgião deixa que o doente sofra numa operação que lhe trará a cura.

O que Deus poderá conceder, se confiante o homem lha suplicar, é a coragem. Na paciência e na resignação, igualmente encontra ele meios de escapar aos embaraços, pelo auxílio das idéias que os bons Espíritos lhe sugerem, deixando-lhe, porém, o mérito da ação. Deus assiste os que se ajudam a si mesmos, confirmando esta máxima: «Ajuda-te e o céu te ajudará.» Não auxilia os que tudo esperam do socorro estranho, sem usar das próprias faculdades, sem nada fazer, preferindo a maior parte das vezes ser socorrido por milagre.

Bom meus amigos, essa foi uma simples explanação sobre o assunto, se quiserem se aprofundar mais, leiam “O Evangelho Segundo o Espiritismo” de Allan Kardec, uma coletânea de preces espíritas, tem um livro muito bom também que se chama “A prece segundo o Evangelho” de Allan Kardec. Até breve.

Referências:

http://www.mundoespirita.com.br/?materia=o-imensuravel-poder-da-oracao

https://espirito.org.br/artigos/o-poder-da-oracao-6/

https://kardec.blog.br/qualidade-da-prece/

https://blog.mundomaior.com.br/04/04/2019/voce-conhece-o-poder-da-oracao/