Alienação mental

08-05-2022

De acordo com a doutrina espírita, as causas mais conhecidas de alienação mental são as grandes oscilações emocionais vividas nesta vida, ou por crimes e danos graves infligidos a pessoas semelhantes em vidas anteriores.

Na última hipótese, geralmente acredita-se que atitudes nocivas causadas pelo egoísmo, ciúmes e maldades premeditadas se fixam no inconsciente do ser e permanecem em estado latente, vibrando mais ou menos discordantemente aos demais dependendo do tipo de mal de que se trata.

Sabemos que viemos de um passado criminoso, e é tão grande que a lei do esquecimento é um fator imensurável no sentido de compensar os erros anonimamente com ferro e fogo. Ainda não somos anjos porque as correntes sombrias nos impedem de nos libertar, mas temos todas as possibilidades de alcançar o equilíbrio e a racionalidade nas estruturas mais realistas.

Os sentimentos de dor e remorso são intensificados quando a atitude insana atinge inúmeras vítimas, principalmente após a reencarnação do agressor. Soma-se a isso o impulso de vingança das vítimas desencarnadas contra o agressor reencarnado, impulso que se traduz em perseguição obstinada, baseada na noção fixa de impor a justiça com as próprias mãos.

Diante da investida das sombras, a alma assediada costuma buscar alternativas que possam protegê-la de perseguições obstinadas, e neste caso a reencarnação parece ser o caminho mais viável. No auge do sofrimento, a entidade atormentada imaginou que estar imerso na carne o protegeria das hostilidades que sofria no plano espiritual, mais especificamente nas zonas umbralinas. Porém, ao renascer, o espírito enfrenta outro agravante, seu campo mental foi deformado pelo excesso do mal, imprimindo um desequilíbrio potencial que emergia das profundezas da alma na matriz psíquica da região da consciência do campo anímico (físico). Resultados: Essa contingência tornou-se fator predisponente para manifestações psicóticas encontradas na experiência terrena, ainda que complicada pela servidão forçada atribuível a credores desencarnados.

Estudos comprovam que tais criaturas, logo nos primeiros anos de vida, ressentem-se dos indícios sugestivos de alienação mental, até que mais tarde explodem com intensidade as características sintomáticas das esquizofrenias, das depressões profundas ou do autismo clássico, psicopatologias sabidamente graves implícitas na Lei de Causa e Efeito.

Inúmeras vezes, a moléstia mental marca indelevelmente o comportamento do encarnado durante toda a existência. Em seu curso inexorável, compromete o relacionamento afetivo, distorce a noção de espaço e de tempo, e converte a criatura em uma personalidade apática, indiferente e desligada dos acontecimentos ao seu redor. No entanto, a aparência física, absorta e impassível, não corresponde à realidade dos fatos. Lá na intimidade, o mundo psíquico do alienado fervilha por conta dos inúmeros conflitos psicológicos derivados da intensa sensação de culpa e da incontrolável dor moral associada ao arrependimento tardio.

Senhores da guerra que depravaram a confiança do povo, levando toda a nação ao sofrimento, com peçonhento apetite de sangue e ouro, legisladores despóticos que perverteram a autoridade, magnatas do comércio que segregaram o pão, agravando a penúria do próximo, profissionais do direito que buscaram torturar a verdade em proveito do crime, expoentes da usura que trancafiaram a riqueza coletiva necessária ao progresso, artistas que venderam a sensibilidade e a cultura, degradando os sentimentos da multidão, e homens e mulheres que trocaram o templo do lar pelas aventuras da deserção, acabando no suicídio ou na delinquência, encarceram-se nos vórtices da loucura, penetrando, depois, na vida espiritual como fantasmas de arrependimento e remorso, arrastando consigo as telas horripilantes da culpa em que se lhes agregam os pensamentos.

E a única terapia é a volta aos berços de sombra em que, através da reencarnação redentora, ressurgem no vaso físico, cela preciosa de tratamento, na condição de crianças problemáticas em dolorosas perturbações.

O cultivo da prece, a conversação edificante, o exercício da meditação e da reflexão, as ações nobilitantes, o labor pelo próximo, conseguem fortalecer o homem com energias específicas, forrando-o das agressões físicas como espirituais, propiciatórias das distonias múltiplas, promotoras das doenças mentais e obsessivas que tanto infelicitam.

No sentido oposto, a ociosidade física e mental, o pessimismo, a irritabilidade, o desânimo, a malícia, a ira e o ódio, o ciúme e os vícios, facultam não apenas a proliferação dos fatores que geram loucuras como o surgimento de matrizes para fixações obsessivas de consequências graves.

pouco tem se dito a respeito dos benefícios hauridos pelos enfermos mentais com a aplicação dos tradicionais passes magnéticos. É exatamente tal complemento terapêutico que merece de nossa parte uma análise mais acurada em face dos efeitos salutares devidamente comprovados na prática e pelos espíritos qualificados no movimento espírita brasileiro.

A desobsessão individual, aquela em que todos os esforços e atenções convergem para um só paciente, nos casos mais complicados, poderá ser repetida semanalmente. Tal providência justifica-se porque, à medida que os algozes espirituais (bolsões kármicos) são atendidos e afastados, ocorre uma reversão no estado de abatimento geral do encarnado, seguida de sensível melhora na evolução do quadro clínico. Quando a terapêutica espírita é mobilizada em sua totalidade (passes e desobsessão apométrica), os enfermos mentais recuperam-se da fase aguda com mais rapidez, se comparados com aqueles outros submetidos apenas ao tratamento clínico. A experiência assim o tem demonstrado.

Enfim, no dia em que a medicina unir-se com o espiritismo, haverá um avanço muito grande na cura da grande parte das moléstias que atormentam a humanidade, porque é fato que os males tanto físico como da alma, tem sua origem do invisível para o visível, ou seja, do plano espiritual para o material, mas isso já vem acontecendo, há pesquisas muito sérias de profissionais da medicina e da ciência em geral, a respeito disso, caminhamos para o limiar de uma nova medicina, vivemos nos tempos dourados do conhecimento, quebramos paradigmas, tiramos o véu da ignorância de nossos rostos, o conhecimento está acessível ao alcance de todos, basta ligarmos o celular, a TV ou o computador e praticamente em segundos sabemos o que está acontecendo do outro lado do mundo, mas basta a nós filtrarmos as informações, pois temos o discernimento do que é certo e errado.

Bom meus amigos, o conhecimento que os trouxe aqui é muito resumido e superficial, recomendo que leiam o livro “A face oculta da medicina” de Paulo César Fructuoso, um livro excepcional, é a visão de um médico perante os trabalhos de cura em centros espíritas, suas conclusões, um verdadeiro tratado científico, porque é o ponto de vista de um homem da ciência, vale a pena ler, esse infelizmente, não tenho para download, mas recomendo comprar, porque é um livro da editora do Lar de Frei Luiz, que é praticamente uma colônia espírita, situada em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, lá eles fazem um trabalho fantástico de estudos espíritas e prática da caridade, então você comprando estará ajudando, colaborando com esta instituição, segue o link se quiser adquirir, não só esse livro mencionado, como muitos outros: https://www.lardefreiluiz.org.br/livraria, não estou ganhando nada com isso, apenas estou divulgando. Um grande abraço a todos e até a próxima.

Referências:

https://editoradionisi.com.br/folhaespiritacairbarschutel/2020/11/03/alienacao-mental/

http://chicodeminasxavier.com.br/alienacao-mental-e-obsessao-na-visao-espirita/

http://www.divaldofranco.com.br/mensagens.php?not=475